Unidades Móveis de Saúde da OIM rodam o estado de Roraima para levar atendimentos à população vulnerável

 

Boa Vista – O relógio ainda marca as primeiras horas da manhã quando a equipe de saúde da Organização Internacional para as Migrações (OIM) deixa a capital roraimense. O destino é o interior do estado para realizar atendimentos médicos com à população mais vulnerável dessas localidades, incluindo refugiados e migrantes venezuelanos. A atuação faz parte do trabalho da OIM em apoio à Operação Acolhida, resposta humanitária do Governo Federal.

Com suporte de duas Unidades Móveis de Saúde, veículos adaptados com equipamentos, insumos médicos e medicamentos, os profissionais embarcam na missão de prestar apoio à rede de saúde nos municípios de Roraima, que tiveram suas demandas ampliadas durante a pandemia do novo coronavírus.

As atividades iniciaram em março, quando houve um novo agravamento da propagação do vírus e o aumento da vulnerabilidade diante à doença da população refugiada e migrante venezuelana, além das comunidades de acolhida. Com o atendimento móvel, 300 pessoas já realizaram consultas médicas.

Os atendimentos começaram em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, onde parte da população venezuelana vive em ocupações espontâneas, com condições precárias de moradia. Ao visualizar a necessidade de apoio na saúde pública, a equipe se preparou para estender o suporte em outros municípios do interior de Roraima.

Conforme o coordenador de Saúde da OIM, Igor Rodrigues, as Unidades Móveis de Saúde possibilitam acompanhar o dinamismo dessa realidade migratória e ainda ir ao encontro da população brasileira. “Vamos continuar apoiando e ampliando o acesso à saúde para outros locais nos próximos meses. A agenda das viagens das unidades moveis de saúde da OIM é elaborada em conjunto com as autoridades locais, no intuito de priorizar os municípios que mais necessitam de apoio”, relatou.

Entre os serviços prestados pelos profissionais da OIM estão as consultas gerais, atendimento familiar, pré-natal, testes de gravidez e testagem rápida para detecção da COVID-19 e para Infecções Sexualmente Transmissíveis. Após o atendimento os pacientes recebem a prescrição de medicamentos, que também são fornecidos pelas equipes médicas da OIM. A equipe de saúde igualmente tem auxiliado no cadastramento para emissão do cartão do Sistema Único de Saúde, para facilitar o acesso ao sistema de saúde local da população migrante e refugiada da Venezuela.

“Nosso trabalho é um complemento importante na resposta humanitária que tem sido dada aos refugiados e migrantes venezuelanos pelo Governo Federal na região. Toda a equipe fala espanhol e isso ajuda muito na comunicação para que se sintam mais confortáveis, pois muitos ainda não falam português. O fato de irmos até essas comunidades mais remotas ofertando o serviço também contribui para reforçar a rede de saúde local”, diz a médica da OIM Carolina Hernandez.

Para Carolina, médica venezuelana que passou pelo Revalida e já está há oito anos no Brasil, o suporte dado pela OIM demonstra uma atenção especial com a população vulnerável. “Sou muito grata, pois vejo que esse apoio é essencial para os beneficiários. Sinto que é uma luz para as pessoas que estão fragilizadas”, complementa.

Durante as visitas nos municípios, os profissionais também prestam atendimentos a brasileiros. Um dos pacientes atendidos durante missão em Bonfim, a cerca de 125 km de Boa Vista, foi o roraimense Gerfy, que saiu com encaminhamentos médicos para exames. “Eu estava aguardando a consulta no posto de saúde, com o serviço aqui consegui adiantar e fui bem atendido. Estou muito feliz que também consegui medicamentos”, relata.

Assim como ele, a venezuelana Dexy conseguiu medicação para ela e a filha de um ano com a apresentação do cartão do SUS. “Ela está com alguns problemas no intestino e com o atendimento da médica, sabemos que vai precisar de remédios e fazer o tratamento. Isso é ótimo porque às vezes o medicamento custa muito e não temos como comprar”, frisa.

NÚCLEO DE SAÚDE

Além das consultas realizadas com as Unidades Móveis de Saúde, a OIM dá apoio ao Núcleo de Saúde da Operação Acolhida, reposta humanitária do Governo Federal. Para complementar as atividades do local, a OIM montou uma equipe de saúde multidisciplinar, e realiza doações de medicamentos.

Localizado na capital Boa Vista, o espaço é voltado à população migrante e refugiada venezuelana que necessita cuidados médicos na atenção primária. Gerido pela Operação Acolhida, o Núcleo de Saúde oferece atendimentos para pessoas com suspeita de COVID-19, vacinação e é realizado o processo de documentação e avaliação médica para ingresso na Estratégia de Interiorização do Governo Federal.

Essas atividades da OIM são realizadas com o apoio financeiro do Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.