Segurança do povo afegão e acesso humanitário devem ser prioridade

Genebra - A Organização Internacional para as Migrações (OIM) tem acompanhado com grande preocupação os desenvolvimentos no Afeganistão e as graves consequências para pessoas deslocadas e civis necessitando de ajuda humanitária em um país já severamente afetado pelos anos de conflito e pela seca.

“Ao passo que a situação atual apresenta novos desafios muito difíceis, a OIM está empenhada em continuar seus programas e prover assistência às comunidades deslocadas enquanto garante a segurança e o bem-estar de seus funcionários em todo o país,” afirmou o Diretor-Geral da OIM, António Vitorino. 

“A segurança de atores humanitários e o respeito por princípios humanitários são pré-requisitos para uma resposta continuada e efetiva às necessidades de pessoas vulneráveis, e garantias devem ser dadas por todas as partes envolvidas.”

Quase 400 mil pessoas foram deslocadas desde o início do ano devido à violência contínua. Mais de outras 5 milhões estão internamente deslocadas e dependem de ajuda humanitária.  
A OIM reitera que a segurança e proteção de civis permanece a prioridade número um e apela a todas as partes que garantam acesso livre a todos os atores humanitários oferecendo ajuda e assistência muito necessária para as populações afetadas, que devem conseguir continuar o exercício de seus direitos fundamentais.

Devido à instabilidade e aos recentes desenvolvimentos de segurança na capital Cabul, movimentos para entrar e sair do país estão dificultados, afetando operações da OIM. 

Considerando a situação de insegurança predominante em todo o país, o Programa de Apoio ao Retorno Voluntário e à Reintegração da Organização (AVRR, em inglês), bem como a assistência à reintegração pós-chegada a retornados, foram pausados por ora.

A OIM também elogia as decisões de vários Estados de pararem retornos forçados ao Afeganistão e incentiva que essa moratória seja adotada de forma mais ampla.

Garantir a segurança de civis é crucial e deveria ser prioridade para todos que se preocupam. A OIM pede que todas as partes continuem com os esforços de manter um diálogo e trabalhar em busca de uma resolução pacífica da situação, priorizando o bem-estar do povo afegão.  

Reiteramos o pedido do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, para o fim imediato da violência e pela proteção dos direitos dos cidadãos.