Promovendo Dados que Incluem Migrantes para Ajudar a Alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Berlim – A Organização Internacional para as Migrações (OIM) está lançando um guia para ajudar profissionais a desagregar dados relacionados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) por status migratório, a fim de atender às necessidades de migrantes e enfatizar suas contribuições para o desenvolvimento sustentável.

Até o momento, a desagregação de dados de desenvolvimento global por status migratório permanece baixa. Migrantes são amplamente invisíveis em dados oficiais dos ODSs. À medida que a comunidade global se aproxima de 2030, muito pouco se sabe sobre o impacto da Agenda 2030 em migrantes. Apesar do crescente foco, ao redor do mundo, em desagregação, isto é, na quebra de dados em subcategorias menores, há uma falta de orientação prática no assunto, que pode ser personalizado para abordar necessidades e capacidades individuais dos países.

Desenvolvido pelo Centro de Análise de Dados de Migração Global da OIM (GMDAC), o guia intitulado “Não Deixe Nenhum Migrante para Trás: A Agenda 2030 e a Desagregação de Dados” se centraliza em nove ODSs com foco em fome, educação e igualdade de gênero, entre outros. O documento é o primeiro do gênero, de modo que busca atender a uma gama de diferentes interesses e necessidades de categorização relacionada a migrantes internacionais e sugere passos práticos para que profissionais da área possam melhor adaptar seus contextos.

“Graças ao suporte do Statistics Sweden, o GMDAC lançou, em 14 de abril, um novo guia sobre como desagregar, por status migratório, indicadores dos ODSs sobre tópicos como pobreza e saúde.” disse Frank Laczko, Director do GMDAC da OIM.

“Dados inclusivos são críticos para garantir que migrantes não sejam deixados para trás quando alcançarmos os ODSs.”

O guia também frisa o papel crucial que a desagregação tem no entendimento das múltiplas relações positivas entre migração e os ODSs, enfatizando as contribuições dos migrantes para a Agenda 2030.

O guia lista passos fundamentais para atores planejarem e implementarem iniciativas voltadas para sexo, gênero, idade e deficiência, em complemento a status migratório. Esses passos incluem a realização de programas de conscientização, a identificação de indicadores de prioridade, a realização de mapeamento de dados e outros.

“Acreditamos que ser capaz de trazer à tona a situação de grupos vulneráveis, como os migrantes, na Agenda 2030, é essencial para garantir desenvolvimento inclusivo,” disse Cathy Krüger, gerente de projetos na Statistics Sweden. “Estamos muito felizes por apoiar a OIM com este trabalho devido a sua ampla e prática experiência em campo. Esperamos que o guia ajude os países a terem progresso no acompanhamento de migrantes na Agenda e que também funcione como um bom exemplo para outros grupos vulneráveis”.

A COVID-19 tornou mais explícitas desigualdades profundas em todo o mundo, lembrando-nos de como é importante que políticas sejam inclusivas para com todas as populações e comunidades, incluindo muitos migrantes que, em vários contextos, enfrentaram riscos elevados e impactos negativos relacionados à pandemia. Para não deixar ninguém para trás, os migrantes devem ser levados em consideração nos esforços para alcançar os ODSs, e isso se inicia com a desagregação de dados.

Leia mais sobre a importância da desagregação de dados para os indicadores dos ODSs aqui.

Para mais informações, entre em contato com Elisa Mosler Vidal na GMDAC da OIM, tel: +44 777 05 343 63, e-mail: emoslervidal@iom.int