OIM e Cáritas Brasileira Regional Paraná reforçam ações para garantir segurança alimentar de refugiados e migrantes venezuelanos durante a pandemia de covid-19

 

Curitiba - Durante a pandemia de covid-19, que impacta fortemente os trabalhadores informais e micro e pequenos empreendedores, a Organização Internacional para as Migrações (OIM), em parceria com a Cáritas Brasileira Regional Paraná, iniciou a entrega de vales-alimentação para venezuelanos que participaram da estratégia de interiorização do Governo Federal.

A iniciativa, iniciada no final de março, já contemplou 240 pessoas e visa alcançar, até o mês de maio, 500 pessoas em 12 cidades paranaenses. O foco são as famílias que viajaram pelas modalidades de reunificação familiar e social, e que estão em situação de vulnerabilidade.

O valor destinado a cada família varia entre R$500 e R$1.500 a depender do número de dependentes. Com o cartão fornecido aos beneficiários, é possível a compra de gêneros alimentícios em mercados locais. Além de contribuir para a segurança alimentar dos refugiados e migrantes, indiretamente, o projeto de transferência de renda contribui para a circulação de moeda nas comunidades, beneficiando também os comerciantes locais.

Karina Elizabeth B. (39), venezuelana, mora no Brasil há 5 anos, e perdeu seu emprego recentemente devido à pandemia. Sendo a responsável pelo sustento da casa onde mora com os pais e os três filhos, que vieram para Curitiba com o apoio da Operação Acolhida e da OIM, Karina entrou em contato com a Cáritas e foi incluída no programa para receber o auxílio-alimentação.

“Ficamos sem renda fixa logo no início da crise causada pelo coronavírus e com este vale-alimentação poderemos manter a compra de alimentos para as próximas semanas. Fico mais aliviada”, afirma Karina, que há dois meses também acolheu em sua casa outra conterrânea, junto com suas duas filhas e a avó.

A identificação dos beneficiários, distribuição dos vales e monitoramento dos casos é feita de forma remota, ou com atendimentos agendados, evitando aglomerações e deslocamentos desnecessários.

 “É um desafio poder avaliar todos os casos, porém colocamos em prioridade famílias com idosos, crianças e famílias monoparentais”, informa a coordenadora do projeto e da Cáritas Brasileira Regional Paraná, Márcia Ponce.

Este projeto é realizado com o apoio financeiro do Fundo Central de Resposta Emergencial das Nações Unidas (CERF).