OIM apoia resposta de emergência no Haiti após Terremoto

PORTO PRÍNCIPE, HAITI  - Enquanto o Haiti luta para lidar com as consequências do terremoto mortal no último fim de semana, os esforços emergenciais da Organização Internacional para as Migrações (OIM) para apoiar as autoridades locais também estão focados em encontrar edifícios seguros onde milhares de residentes deslocados possam se abrigar da tempestade que se aproxima e que provavelmente causará inundações e deslizamentos de terra.  

“O duplo impacto do terremoto e da tempestade iminente pode aumentar o número de pessoas seriamente afetadas e tornará ainda mais difícil para o governo e para os diferentes atores humanitários oferecerem ajuda”, afirma a Vice-Chefe de Missão da OIM no Haiti, Federica Cecchet. 

De acordo com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, é esperado que a depressão tropical Grace cause chuvas torrenciais quando atingir o Haiti na noite de segunda-feira ou manhã de terça-feira. 

Depois que o terremoto de magnitude 7,2 atingiu o Haiti no sábado, deixando quase 1.300 mortos, cerca de 3.200 feridos e milhares de casas e prédios públicos destruídos, incluindo escolas e hospitais, a OIM e outras equipes humanitárias das Nações Unidades estão apoiando os esforços de recuperação do governo.

A Direção da Proteção Civil do Haiti (DPC) ativou o Centro Nacional de Operações de Emergência (COUN) em Porto Príncipe e os centros departamentais em Sud, Grand'Anse e Nippes, os três departamentos mais afetados pelo terremoto. As equipes da OIM estão apoiando a coleta de dados oficiais, ajudando a avaliar as perdas e oferecendo assistência emergencial para salvar vidas. 

De acordo com a contagem preliminar, mais de 13.600 casas foram destruídas ou gravemente danificadas, deslocando milhares de residentes, 470 dos quais buscaram proteção em abrigos de emergência, muitas vezes improvisados, ou com famílias de acolhimento. 

"Esses números vão aumentar à medida que a coleta de dados continua, e uma das muitas prioridades nas próximas semanas será a gestão adequada dos abrigos de emergência e do apoio humanitário para milhares de pessoas que estão deslocadas.” disse Cecchet. 

No sábado à tarde, Cecchet acompanhou o Primeiro-Ministro do Haiti, Ariel Henri, o Ministro da Justiça, Rockefeller Vincent, o Diretor da Proteção Civil, Dr. Gerard Jerry Chandler, representante das agências da ONU e doadores para um reconhecimento aéreo das áreas afetadas. 

A visão aérea revela uma imagem desoladora, afirma Cecchet. “Embora a percepção de destruição não seja generalizada, o impacto devastador nas casas, prédios públicos e infraestrutura rodoviária é evidente.” 

O transporte da ajuda a áreas afetadas será complicado por causa da destruição e dos danos causados nas estradas e pontes. Algumas rotas foram bloqueadas por deslizamentos de terra. No terceiro dia após o tremor, equipes humanitárias ainda não alcançaram muitas áreas, especialmente no departamento de Nippes. 

A OIM Haiti, em parceria com o governo, está co-liderando a resposta para setores de Abrigo, Itens Não-Alimentícios (NFI, em inglês) e Gestão de Campo (CCCM, em inglês). Graças ao suporte da Agência de Assistência Humanitária dos EUA (BHA, em inglês), e da Proteção Civil e Operações de Ajuda Humanitária Europeias (ECHO, em inglês), as distribuições já começaram a fornecer assistência emergencial rápida aos mais vulneráveis, incluindo cobertores, kits de higiene, galões para combustível, materiais de manutenção e lonas.  

Para reduzir os riscos associados à COVID-19, a OIM irá distribuir máscaras laváveis como parte das atividades de distribuição de itens não alimentícios e irá disseminar mensagens de conscientização e prevenção contra a COVID-19 por meio da distribuição de cartilhas, caminhões de som, alcance comunitário e mídias sociais. 

Psicólogos da OIM irão fornecer apoio psicossocial especializado, incluindo sobre Prevenção contra o Abuso e Exploração Sexual (PSEA, em inglês), além de tratamento de queixas. Além disso, a linha direta 840 da OIM permanece aberta para fazer reclamações ou dar feedbacks, bem como para receber informações ou apoio psicossocial.