OIM apoia interiorização por vaga de emprego de mais de 300 refugiados e migrantes venezuelanos no Rio Grande do Sul

Boa Vista – “Estou orgulhoso de mim”, são as palavras de Wilfredo ao embarcar em um avião fretado que iria desembarcar em Porto Alegre. A frase fazia referência ao aguardado momento que se aproximava, o de ter a carteira de trabalho brasileira assinada indicando o cargo de operador de produção em empresa do setor alimentar.

Wilfredo faz parte do grupo de 384 viajantes levados pela Estratégia de Interiorização da Operação Acolhida, resposta humanitária do Governo Federal, para atravessar o Brasil, de Roraima ao Rio Grande do Sul, em busca de novas chances no mercado de trabalho. As vagas de emprego foram garantidas graças a uma articulação da Operação Acolhida, com apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Ele relembra dos passos que tomou ao chegar no Brasil, há 3 anos, quando ficou na Área de Pernoite da Rodoviária de Boa Vista e passou a buscar emprego na cidade. “Na Venezuela eu era motorista, mas aqui passei a fazer diárias e recolher material reciclável para venda. Assim me mantive. Agora me sinto muito contente porque estou realizando o que me propus a fazer quando cheguei em Roraima: ir para outro estrado”, complementa.

No mesmo voo, estava também o antigo segurança Luis Daniel e a esposa Sol Maria. Para ele, a motivação para cruzar a fronteira era a chance de melhorar o futuro para toda a família. “Viemos para trabalhar e, por isso, agradecemos o apoio de todas as organizações que possuem um só ideal, que é ajudar os venezuelanos. Eu e minha esposa estamos indo para Monte Negro [RS] com um emprego, vamos concluir o sonho que não pudemos concluir na Venezuela”, frisa.

Para essa grande movimentação, diversos parceiros da Acolhida foram mobilizados. Os beneficiários puderam viajar com passagens fornecidas pela OIM e tiveram o apoio necessário durante toda a viagem, que foi acompanhada pela equipe da Organização. Ao chegar em Porto Alegre, o grupo foi recebido na empresa com uma apresentação de dança tradicional gaúcha como boas-vindas.

“Estou chegando em um estado que ainda não conheço, mas já sinto que é um sonho se tornando realidade, pois me sinto forte para trabalhar e ajudar minha família na Venezuela”, comenta a futura contratada da empresa frigorífica, Sol Maria.

Pela modalidade de Vaga de Emprego Garantida (VES) da Estratégia de Interiorização, a possibilidade de inserção no mercado de trabalho para refugiados e migrantes venezuelanos aumenta e permite novos recomeços de vida, assim como cria empresas mais diversas e contribui para fomentar a troca de culturas.

Desde o início da estratégia em 2018, mais de 53 mil venezuelanos foram apoiados para deixar Roraima e o Amazonas rumo a outras localidades do Brasil.

As atividades da OIM na Estratégia de Interiorização contam com o apoio financeiro do Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.