OIM apoia Caritas Arquidiocesana de Brasília nas suas ações locais voltadas para indígenas Warao

Brasília - A parceria da Secretaria de Desenvolvimento Social do Governo do Distrito Federal (SEDES/DF) e Cáritas Arquidiocesana de Brasília iniciada em janeiro deu início ao Projeto de Proteção Social a Indígenas Venezuelanos da Etnia Warao, na capital brasileira, que também conta com o apoio do Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), entre outros.

No marco desse projeto, o Centro de Tecnologias Sustentáveis para o Bem Viver Raios de Luz, gerido pela Cáritas Arquidiocesana de Brasília, passou por reestruturação e agora acolhe 79 indígenas Warao. A construção de uma resposta em rede para o atendimento integral dessa população também é realizada.  Desde 2019, o abrigo já trabalhava no atendimento de pessoas em situação de vulnerabilidade social, tendo acolhido, desde então mais de 1.350 refugiados e migrantes venezuelanos assistidos dentro da Operação Acolhida, resposta humanitária do Governo Federal.

A OIM está presente apoiando essa iniciativa inovadora na ampliação do espaço disponível e na estruturação de um acolhimento sensível às especificidades culturais do povo Warao. Atividades de capacitação com equipes do Governo do Distrito Federal (GDF) e da Cáritas Arquidiocesana de Brasília, bem como de fortalecimento comunitário com mulheres e homens Warao acolhidos no centro também são realizadas no intuito de reforçar as capacidades locais.

Uma série de doações de materiais necessários para o desenvolvimento das atividades voltadas ao fortalecimento comunitário, à promoção dos direitos culturais, econômicos e das mulheres e demais pessoas Warao acolhidas também foram entregues pela OIM. Dentre os itens doados estão matéria-prima para a elaboração de artesanatos, móveis, materiais eletrônicos e de escritório.

A OIM promove ainda a integração econômica dos indígenas Warao por meio de cursos profissionalizantes nas áreas de panificação e eletricista residencial, ofertados dentro do projeto Inclusão Sem Fronteiras, desenvolvido pela organização em parceria com a ADRA e o SENAI no Distrito Federal.

Para a Secretária de Desenvolvimento Social do GDF, Mayara Noronha Rocha, a contribuição da OIM tem sido fundamental para que os indígenas possam conquistar a autossuficiência.

“Como governo, estamos realizando um trabalho, junto com a Cáritas, para ofertar um acolhimento de qualidade, promovendo, principalmente, a inclusão social e a segurança alimentar desses indígenas. E com essa parceria da OIM tem sido possível qualificar os Warao para a inserção no mercado de trabalho, principalmente, dos mais jovens, que procuram os cursos de capacitação como forma de aprender o idioma local e, assim, disputar uma vaga de emprego para poderem caminhar de forma autônoma”, destaca.

A secretária destaca ainda a atividade que a agência vem realizando com as mulheres Warao. “As indígenas, culturalmente, vivem do trabalho artesanal, e a OIM tem provido os insumos para a confecção dessas peças, o que além de valorizar a cultura e o trabalho dessas artesãs, também desenvolve uma pequena cadeia produtiva gerando, assim, renda”, complementa Mayara Noronha.

Neste momento de aumento do número das pessoas em situação de miséria, de perda de vagas de emprego, de dificuldades ampliadas para os mais vulneráveis na prevenção contra a COVID-19, a solidariedade é fundamental, segundo o Diretor da Cáritas Arquidiocesana de Brasília, Paulo Henrique de Morais.

“É preciso envolver todos os atores da vida de uma sociedade: poderes públicos, mundo empresarial, organismos internacionais, meios de comunicação, instituições educacionais, ONGs, cada cidadão, na busca de novas oportunidade, geração de renda e trabalho”, informa o diretor. “É preciso vivermos com responsabilidade este momento atípico, incentivando a todos a fazerem a sua parte. Gostaríamos de agradecer à OIM, a doação e a colaboração, mas sobretudo o respeito e o cuidado dispensado a Cáritas Arquidiocesana de Brasília e a todas as pessoas migrantes do mundo”, finaliza.

Para o Chefe de Missão da OIM no Brasil, Stéphane Rostiaux, o suporte oferecido vem a contribuir com os esforços promovidos pelos órgãos do GDF e organizações da sociedade civil como a Cáritas Arquidiocesana de Brasília, no acolhimento e garantia dos direitos da população indígena Warao. “É com satisfação que nos somamos a este trabalho e seguimos no compromisso de continuar cooperando na construção desta resposta em rede”, informa.

O apoio da OIM faz parte das suas ações na resposta emergencial para o acolhimento de pessoas da Venezuela e de promoção da integração socioeconômica desta população, financiadas pelo Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos e pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), respectivamente.