Equipe de saúde da OIM realiza 270 atendimentos médicos durante 4 dias em UBS de Pacaraima, fronteira com a Venezuela

Consultas englobaram atendimentos de clínico geral, testagem para detecção de infecções e suporte psicológico

Pacaraima – Em novo apoio à rede de saúde local, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) promoveu quatro dias de atendimentos médicos na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Pedra, no município de Pacaraima, fronteira com a Venezuela, na primeira semana de setembro. No total, 270 pessoas foram beneficiadas na ação coordenada com a Secretaria Municipal de Saúde do município.

O suporte faz parte das ações de saúde no interior de Roraima, em localidades em vulnerabilidade social para a comunidade de acolhida e a população refugiada e migrante venezuelana, com atuação de médicos e técnicos de enfermagem.

Em Pacaraima, a atividade ocorre após articulação com a gestão municipal com objetivo de fortalecer à saúde pública e possibilitar mais agilidade nas consultas e acompanhamento dos pacientes. Os atendimentos englobaram consultas com clínico geral, testagem rápida para Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e detecção de COVID-19, exames de gravidez e serviço de vacinação.

“O apoio da OIM aos serviços de saúde em Pacaraima tem contribuído para o acesso aos cuidados de saúde à população refugiada e migrante. A rede municipal conta com unidades e equipes de atenção básica, que com o aumento do fluxo migratório solicitou apoio para atendimento às demandas de saúde. Além de realizar atendimentos à comunidade, identificamos as principais dificuldades em saúde, suas condicionalidades e determinantes sociais”, explicou a coordenadora de saúde da OIM, Luanna Mendonça.

As ações de campo realizadas pela equipe de saúde também permitem a identificação e análise do contexto de saúde mental da população venezuelana, através de atendimento de psicologia. Além das consultas, são dispensados medicamentos com o apoio da Unidade Móvel de Saúde da OIM, que também percorreu as comunidades indígenas de Sorocaima, Bananal e Tarau Paru, sendo aproximadamente 1.200 indígenas da etnia Pemón atendidos com a ação.

Para a venezuelana Carla Marianny, o atendimento médico possibilitou o acompanhamento da gravidez de 8 meses. “Deixei Santa Elena e moro em Pacaraima há 7 anos. Fui bem tratada aqui e gostei muito”, disse.

De acordo com a médica da OIM Carolina Hernandez, a relevância das atividades de saúde reflete no número de pessoas atendidas, sendo a maior parte de refugiados e migrantes. “Esse suporte tem sido de grande importância para a sede do município já que é o local com maior impacto pelo fluxo migratório. Temos percebido que mesmo atendendo população local, a grande maioria da procura de atendimentos médicos é por venezuelanos”, frisou.

Os atendimentos de saúde feitos pela OIM seguem ocorrendo diariamente pelos municípios de Roraima e no apoio à Prefeitura de Boa Vista no âmbito de controle epidemiológico.  

As atividades de Saúde da OIM contam com o apoio financeiro do Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.