Com carteira de trabalho assinada, mais de 100 venezuelanos partem de Roraima para Santa Catarina com apoio da OIM

Boa Vista – Colocar as roupas na mala, organizar os documentos e embarcar para uma nova oportunidade. Assim começou o ano de 112 refugiados e migrantes venezuelanos que deixam Boa Vista esta semana. Eles vão rumo ao Sul do Brasil para ingressar no mercado de trabalho pela Estratégia de Interiorização da Operação Acolhida, resposta humanitária do Governo Federal. Além de apoiar todas as etapas, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) ficou responsável pela aquisição das passagens em voos comerciais.

Com destino a Capinzal, Santa Catarina, Nina é uma das beneficiárias que entrou na modalidade de interiorização para Vaga de Emprego Sinalizada (VES) e conseguiu um posto de trabalho em uma empresa alimentar. A jovem de 19 anos deixou a cidade de Puerto Ordaz, na Venezuela, há quase dois anos em busca de estudos para ingressar no curso de Medicina.

“Estou emocionada porque vamos trabalhar. Vamos ter uma vida nova e evoluir. Vim para o Brasil porque quero ser médica. Então estou ansiosa porque com o trabalho vou poder ter dinheiro para comprar minhas coisas.”

Nina (à direita), quer ser médica e participou da estratégia de interiorização

Nina (à direita), beneficiária da estratégia de interiorização. | © OIM 2021/Bruno MANCINELLE 

O primeiro passo para iniciar os trâmites para a interiorização é passar pela avaliação médica e cadastro com a equipe da Operação Acolhida. Nessa etapa, os refugiados e migrantes recebem detalhes sobre o percurso e referências para adaptação na nova cidade. Para as crianças, é dado o Passaporte para Educação com cartilhas culturais bilingues sobre o Brasil e informações de matrícula na rede de ensino brasileira.

Com o advento da pandemia de COVID-19 em 2020, os protocolos de segurança foram reforçados e o trabalho foi ajustado ao novo contexto. As equipes se mantiveram mobilizadas para que os beneficiários não fossem prejudicados, tomando todas as medidas de prevenção e de controle necessárias.

Para Andreina, a expectativa antes da viagem era grande. Ela saiu da Venezuela há um ano com o esposo Fernando e os dois filhos de 11 e 5 anos em busca de emprego e de estudos para as crianças. “É um sentimento muito bom, pois estão nos dando uma oportunidade para irmos a outro estado. Nós dois vamos trabalhar em Santa Catarina e isso será de grande ajuda”, disse.

Andreina, Fernando e os dois filhos. |  © OIM 2021/Bruno MANCINELLE 

Já a mala pronta de Franchesco significa uma nova viagem desde que partiu da Venezuela, mas dessa vez, será para recomeçar a vida com a garantia de emprego. “Fico muito agradecido, principalmente por Santa Catarina ter um clima mais frio, que é o que gosto mais. É muito bom saber que vou chegar e já ter um emprego”, comemorou.

Para a irmã de Franchesco, Estefânia, de 25 anos, a empresa permitiu que ocupasse um cargo administrativo mesmo tendo o espanhol como língua materna e sem experiência na carteira de trabalho. “Vou fazer o melhor que puder! Quero aprender muita coisa por lá. Por isso, estou muito emocionada porque quero melhorar minha vida, não só por mim, mas pela minha família que deixei na Venezuela. É uma oportunidade que não posso deixar passar”, enfatizou.

Franchesco (à esquerda) junto a irmã Estefânia (à direita). | © OIM 2021/Bruno MANCINELLE 

Estabelecida para aliviar as estruturas públicas do estado de Roraima e da Região Norte, especialmente nas áreas de saúde, assistência social e educação, a Estratégia de Interiorização leva voluntariamente os venezuelanos que desejam permanecer no país para outras partes do Brasil. O intuito é de possibilitar um recomeço e ampliar as possibilidades de integração socioeconômicas dessas pessoas. Com as diferentes modalidades oferecidas, é possível a reunificação com familiares e amigos, aceitar uma vaga de emprego em outra cidade ou a moradia em abrigos. Em conjunto com agências da ONU e organizações da sociedade civil, a Operação Acolhida já beneficiou mais de 46 mil pessoas da Venezuela desde seu início em abril de 2018.

As atividades da OIM na Estratégia de Interiorização são realizadas com o apoio financeiro do Escritório de População, Refugiados e Migração (PRM) do Departamento de Estado dos Estados Unidos da América.